16 outubro, 2020

Blockchain: o que é e qual sua aplicabilidade na cadeia de suprimentos

By | sexta-feira, 16 de outubro de 2020|0 Comentários

Você provavelmente já ouviu falar em Bitcoin, a criptomoeda que tornou famoso o blockchain, mas você sabe o verdadeiro conceito e potencial dessa inovação?  O blockchain é uma tecnologia de base de dados distribuída em servidores, referida por Satoshi Nakamoto originalmente, no artigo "Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System". Uma nova adição à base na qual você tem acesso, ou nó (node), será compartilhada com todos os outros nós – onde cada um faz a verificação da legitimidade da informação inserida –, por meio de blocos, formando, assim, um livro de registros, que apenas pode adicionar-se novos blocos de informação,  nunca [...]

24 agosto, 2020

Eventos Disruptivos | A Importância da Resiliência e da Elaboração de Planos de Contingência para Lidar com Disrupções na Cadeia de Suprimentos

By | segunda-feira, 24 de agosto de 2020|0 Comentários

1. Introdução  No decorrer deste projeto, o GELOG tem demonstrado os impactos dos eventos disruptivos sobre as cadeias de suprimentos globalizadas, enfatizando o fenômeno sem precedentes da crise causada pela pandemia da Covid-19. Isso não se deve apenas pela amplitude dos efeitos econômicos e humanitários do coronavírus, mas pelas constantes mudanças de cenário causadas por essa crise. Ao passo que as empresas tentam planejar respostas para o problema, a situação muda a cada dia, com uma velocidade, escala e impacto muito maiores em comparação à quando foram inicialmente avaliados (MYSORE; USHER, 2020).  Ainda assim, é possível constatar que algumas ações específicas [...]

10 agosto, 2020

Eventos Disruptivos | O PDCA como Ferramenta para Gestão de Riscos de Ruptura nas Cadeias Globais

By | segunda-feira, 10 de agosto de 2020|0 Comentários

Frente aos recentes acontecimentos globais atrelados à pandemia do Coronavírus, fala-se muito sobre riscos e disrupções na cadeia de suprimentos. Mas o que causou estranhamento foi o despreparo das empresas para lidar com a situação. Isso parece estar ligado ao fato de que as empresas costumam dar mais atenção aos riscos mais tangíveis, ou que estão sob sua responsabilidade ー como rupturas na cadeia resultantes de paradas de equipamentos ou problemas com fornecedores. Ameaças terroristas, por exemplo, são imprevisíveis, o que dificulta na precaução, enquanto que a preocupação com desastres naturais só se dá a posteriori do ocorrido (KNOWLEDGE AT WHARTON, [...]